E quando o carente afetivo se torna dependente de você?

padrao

De repente, aquela pessoa quer mais do que carinho e passa a necessitar desesperadamente da sua atenção e amor. 

É quando o parceiro ou parceira passa a ser a única fonte de felicidade do carente afetivo, como uma bengala externa de quem não aprendeu a se amar, valorizar e se dar suporte. 

Mas essa baixa autoestima pode levar o carente afetivo à depressão.

Além disso, o relacionamento pode se deteriorar, uma vez que o outro acaba sendo aprisionado pelo carente afetivo, na tentativa de preencher lacunas abertas.

Na relação a dois, cada um tem uma cota de amor para doar.

O excesso de carência afetiva vampiriza a nossa energia. Mas ninguém é capaz de resolver a carência interna de uma pessoa, a não ser ela mesma. 

E como saber se você está convivendo com um carente afetivo? 

Fique atento a esses sintomas no(a) parceiro(a):

  • Falta de referência interna para dar direção à própria vida.
  • Necessidade de aprovação.
  • Dificuldade em distribuir amor.
  • Necessidade de chamar a atenção.
  • Hábito de se fazer de vítima para que o outro se comova.
  • Dependência do outro para se sentir feliz
  • Submissão a qualquer condição, por medo de ficar só. 
  • Incapacidade de sustentar relacionamentos de longo prazo no passado, afinal, ninguém consegue fazer feliz o carente afetivo.
  • Ciúme exagerado.
  • Sentimento de posse.
  • Facilidade em abandonar projetos para viver à sombra do outro.
  • Excesso de cobranças, inclusive com amigos e familiares.

Procure ajudar mostrando a essa pessoa a importância em se autoconhecer. 

Ela precisa encontrar o melhor de si e se recarregar internamente para saciar essa carência e dar sentido ao próprio viver. 

A carência afetiva em grau elevado lembra o abraço do afogado.

Por isso, tome cuidado para não afundar junto com esse abraço desesperado, de alguém que quer que o outro o salve de si mesmo, de seus complexos e da sua apatia diante da vida.

Lembre-se de que ninguém consegue resgatar o outro o tempo todo. Nem mesmo por amor.

Luíza Lopes é Diretora do INDESP.